Apple termina 2017 com processo em tribunal no valor de 999 mil milhões de dólares por deixar iPhones mais lentos

Não há nada como terminar o ano em grande, se bem que não é pelos melhores motivos. Alguns grupos de utilizadores de iPhones nos Estados Unidos têm movido nos últimos dias várias ações em tribunal contra a Maçã por esta ter reduzido a performance em alguns iPhones por forma a otimizar as baterias mais desgastadas, polémica essa que comentámos recentemente aqui no Kioske.

Alguns dos argumentos utilizados por estes grupos estão relacionados com o facto da Apple nunca ter solicitado ou acordado esta restrição na performance os utilizadores e que isso diminui o valor dos dispositivos. Outros dizem ainda que a Apple “sujeita desnecessariamente consumidores a comprar iPhones mais novos e mais caros quando uma reposição de bateria poderia ter permitido aos consumidores continuarem usando seus iPhones mais antigos”.

Mas o grande destaque desta queixas vai para um grupo que pede, nada mais nada menos, do que uns “ridículos” 999 mil milhões de dólares (!) de indemnização, sob a mesma premissa: a Apple não avisou desta alteração na performance e, por isso, alguns utilizadores viram-se forçados a comprar novos iPhones o que, segundo este grupo, constitui um crime um vez que a Apple negou o uso, a utilidade e o valor dos iPhones antigos.

Pois é, a vida não está fácil para a Apple e este é o preço a pagar por não ter sido suficientemente clara quando lançou esta “funcionalidade” no iOS 10.